A pedido de Humberto, Defensoria de Direitos Humanos notifica governo sobre evasão na 2ª dose da vacina

Foto: Roberto Stuckert Filho

A Defensoria Nacional de Direitos Humanos notificou o Ministério da Saúde para que a pasta explique por que não tem feito campanhas ou chamamento público para conscientizar a população sobre a importância da segunda dose da vacina contra a covid. A decisão partiu após uma provocação feita à Defensoria Pública da União pelo senador Humberto Costa (PT-PE).

Ex-ministro da Saúde e atual presidente da Comissão de Direitos Humanos do Senado, Humberto oficiou o órgão sobre processos de imunização incompletos de milhares de brasileiros, que não voltaram para tomar a segunda dose das vacinas. Levantamento do próprio ministério demonstra que 1,5 milhão de pessoas não retornaram para nova aplicação.

Em várias cidades e estados, já temos de lidar com a falta de imunizantes para a segunda dose. No entanto, aliado a essa bagunça promovida por esse governo, há também o caso de pessoas que não voltaram para a outra etapa, o que prejudica a eficácia da vacinação e expõe o cidadão ao vírus”.

Senador Humberto

Humberto afirma que não há qualquer esforço do Ministério da Saúde para chamar as pessoas a voltar e explicar o risco que elas correm sem a segunda dose.

O defensor nacional de Direitos Humanos, André Ribeiro Porciúncula, questionou a Secretaria de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde para que explique se está acompanhando o problema da evasão de pacientes e se tem adotado campanhas ou outras medidas administrativas para incentivar os cidadãos a comparecerem. O órgão terá 15 dias para responder.