Bolsonaro paga fatura de campanha com armas a lunáticos que se sentem Rambo, diz Humberto

Foto: Roberto Stuckert Filho

Estarrecido com o anúncio da fabricante de armas Taurus de que está apta a vender fuzis a cidadãos comuns no Brasil, a partir de decretos de Bolsonaro que autorizam a posse e o porte de armamento no país, o líder do PT no Senado, Humberto Costa (PE), afirmou, nesta terça-feira (21), que, enquanto o governo mergulha o Brasil num profundo caos econômico, social e político, o capitão reformado só pensa em armar os cidadãos.

O senador lembrou que a maior parte da população quer a retomada do crescimento do país, e não mais armamento. “São milhares de famílias destruídas por ano com mortes provocadas por armas de fogo. Não é autorizando o povo a ter fuzis e cinco mil munições por ano, sendo 16 mil para quem ter quatro armas, que os problemas serão resolvidos. Isso tudo para quê? É uma guerra? Não será dessa maneira que sairemos dessa calamidade”, declarou.

O parlamentar lembrou que a bancada do partido já protocolou um projeto de decreto legislativo para sustar o que ele chama de “ato arbitrário do presidente, que, de forma ilegal, instaurou um Estatuto do Armamento no Brasil”. Para Humberto, é urgente que o Congresso Nacional restaure a legalidade suspendendo medidas que exorbitam as atribuições do Poder Executivo.“É uma inconsequência. Um disparate.

Uma loucura para pagar fatura de campanha a um bando de lunáticos que se sentem num filme de Rambo”, disparou.  Ele lembrou que metade dos governadores do país assinou uma carta pedindo a revogação do decreto editado pelo presidente no começo do mês. O líder do PT no Senado ressaltou que, depois de um sólido trabalho ao longo dos últimos anos, os índices de homicídios começaram a cair em vários estados do país e, justamente agora, Bolsonaro se propõe a inundar o Brasil com armas.

“Certamente, serão traficadas para aparelhar a criminalidade. Além disso, uma briga de trânsito, uma discussão no bar, um bate-boca entre vizinhos, tudo isso pode acabar numa imensa tragédia com essas armas à mão – fora o imenso risco a que as crianças estarão expostas ao viverem sob o mesmo teto onde há armas de fogo”, disse.

O senador avalia que o decreto traz reflexos também para a economia, pois permite a entrada de pessoas armadas nas aeronaves, confrontando políticas de companhias aéreas estrangeiras, que anunciaram que deixarão de operar voos no Brasil por risco à segurança.

“Nem policial entra armado em avião. Ele tem de entregar a arma. Nem tesourinha passa no raio-x. Agora, o presidente quer que as pessoas entrem armadas. Tem lógica isso? O avião vai virar um desfile de pessoas armadas. Não sem quem vai ter coragem de viajar sabendo que tem gente armada”, comentou.

O líder do PT entende que o governo Bolsonaro gasta tempo com medidas absurdas e, em cinco meses gestão, deixou o Brasil no buraco, com o estouro do desemprego, o maior número de desalentados da história, maior nível de desigualdade de renda de todos os tempos, o PIB revisado pela 12ª vez para baixo e a explosão de preços e da inflação.

“O país está às bordas de uma depressão econômica. Todos os recordes negativos estão sendo batidos por Bolsonaro, e o que ele faz? Se abraça a uma pauta ideológica histérica, que em nada ajuda o Brasil a sair dessa situação. Ao contrário, acelera a nossa ida para o buraco”, criticou.