Cortes de Bolsonaro no orçamento desmontam programas sociais, denuncia Humberto

A redução da projeção orçamentária de programas sociais e de combate à desigualdade pelo governo Jair Bolsonaro pode levar o país a um colapso social. A avaliação é do líder do PT no Senado, Humberto Costa (PE).

O senador considera gravíssima a decisão do governo de cortar recursos de projetos como o Bolsa Família e o Minha Casa, Minha Vida e avalia que a medida pode impactar negativamente a economia brasileira, que este ano deve ter um crescimento menor do que 1%.

Bolsonaro não apresentou absolutamente nenhum projeto para melhorar a vida dos mais de 12,6 milhões de desempregados.

Humberto Costa

“O Brasil tem hoje 12,6 milhões de brasileiros desempregados. Destes, 3,3 milhões procuram emprego há pelo menos dois anos e até agora Bolsonaro não apresentou nenhum projeto para resolver o problema. Pelo contrário, o que vemos é o governo seguir com sua agenda de destruição, atingindo especialmente a população mais vulnerável, retirando das pessoas o direito de sobreviver com o mínimo de dignidade, levando milhares ao desamparo e à miséria”, afirmou o senador.

Maior programa de distribuição de renda do país, o Bolsa Família é um dos alvos do governo. Para o ano que vem, há atendimento projetado para 13,2 milhões de pessoas, excluindo cerca 600 mil pessoas que hoje são beneficiadas pelo programa. Além disso, o governo se quer considerou a inflação deste ano e destinou os mesmos R$ 30 bilhões deste ano para o orçamento do ano que vem.

Foto: Roberto Stuckert Filho

Corte maior teve o Minha Casa, Minha Vida, que, sob o comando de Bolsonaro, terá a menor previsão orçamentária da história com apenas R$ 2,7 bilhões para 2020. De 2009 a 2018, a média destinada ao programa habitacional era de R$ 11,3 bilhões por ano.

Outro programa que será impactado pela tesourada do governo é o Fies, criado para estimular o acesso da população de baixa renda ao ensino superior, que teve os seus recursos reduzidos de R$ 13,8 bilhões para R$ 10,2 bilhões na proposta de orçamento do ano que vem.

“Corremos o risco de viver um grande colapso social. O Brasil é um dos países que mais concentra renda no mundo e, desde que Bolsonaro assumiu, esse abismo social vem crescendo a níveis absurdos. Esses cortes em programas sociais podem ampliar ainda mais as desigualdades, criando uma tensão social enorme e gerando um impacto negativo também para a nossa já deteriorada economia”, analisou o senador.