É inaceitável que Bolsonaro ameace governadores e prefeitos e defenda a pandemia, diz Humberto

As ameaças do presidente da República Jair Bolsonaro (sem partido) a governadores e prefeitos para que encerrem o isolamento social em razão da pandemia da Covid-19 foi duramente atacada pelo senador Humberto Costa (PT-PE) na sessão da tarde desta terça-feira (14), no Senado Federal.

Para o petista, é inaceitável que, num momento em que o vírus avança sobre a periferia das grandes cidades e o interior do país, o presidente aja deliberadamente contra estados e municípios com o propósito de encerrar o confinamento e expor a população ao risco de contrair a doença. Segundo Humberto, até mesmo os repasses constitucionais da União às 27 unidades federadas e às quase 5,6 mil cidades foram retardados em retaliação a governadores e prefeitos.

Essa é a necropolítica de Bolsonaro. Hoje, nós temos mais de 23 mil infectados, segundo os dados oficiais”.

Senador Humberto

Mas Humberto ressalta que as estatísticas mostram, com base em estudos científicos, que esse número é 15 vezes maior. “Ou seja, na realidade, há mais de 300 mil infectados. Os hospitais estão lotados, as UTIs começam a ter capacidade total completa, não há respiradores para atender todo mundo. Estados como o Amazonas já entraram em colapso. É nesse contexto que Bolsonaro força o afrouxamento das regras. É uma irresponsabilidade, um crime contra os brasileiros”, criticou o senador.

Segundo o senador, o Brasil passa pela maior tragédia social, sanitária e econômica dos últimos 100 anos. “É necessário que deixemos Bolsonaro, que é um criador de crises, de lado. O Congresso e o Supremo estão fazendo o que é preciso para colocar rédeas em tantas loucuras e fazer o país andar. A hora é de nos unirmos para enfrentar esse terrível desafio e escantear aqueles que não querem trabalhar, mas somente atrapalhar, como o presidente da República”, afirmou Humberto.