Para Humberto, investigação contra Demóstenes foi legal


Apesar da defesa alegar que Demóstenes Torres (ex-DEM/GO) foi investigado ilegalmente pela Polícia Federal, o senador Humberto Costa (PT-PE), relator do processo administrativo contra o senador goiano no Conselho de Ética do Senado, afirmou nesta terça-feira (15/5) que a presença de Demóstenes ao longo das investigações se deve ao que a polícia chama de “encontros fortuitos”, resultados das interceptações telefônicas.
O relator chegou a essa conclusão depois de ouvir por quase três horas, em sessão secreta, os delegados federais responsáveis pelas operações Vegas e Monte Carlo, Raul Alexandre Marques Souza e Matheus Mella Rodrigues. Essas operações investigaram o esquema de jogo ilegal em Goiás e revelaram o envolvimento do contraventor Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, com agentes públicos e privados.
“Esta tentativa da defesa não vai ter sucesso. Não me parece claro que tenha havido intenção da Polícia Federal em investigar especificamente o senador. Pelo contrário, no momento em que fica evidente a participação de alguém com foro privilegiado, a investigação foi encaminhada ao Supremo”, afirmou Humberto Costa.
Em relação ao mérito das acusações contra Demóstenes Torres, o relator preferiu não emitir opinião, porque ainda está construindo um juízo de valor para se manifestar no relatório final. Humberto disse, no entanto, que “pela colocação dos delegados”, ficou clara ação do senador na defesa de interesses de Cachoeira.
“Como relator, não me cabe agora tecer comentário sobre a situação de Demóstenes”, resumiu.
Mérito – Para o senador Randolfe Rodrigues (PSOL-AP), ficou claro que Demóstenes valeu-se do mandato para intermediar interesses de Cachoeira no Congresso Nacional. Segundo Randolfe, os depoimentos dos delegados foram técnicos, baseados exclusivamente no processo investigatório.
“Todas as falas deles foram feitas olhando o processo, olhando os autos, olhando todo o procedimento investigatório. A defesa, quando vai arguir, é toda na linha da forma, nunca no mérito do que está sendo investigado”, afirmou.
Randolfe acrescentou que os delegados informaram que as operações Vegas e Monte Carlo chegaram a registrar 416 ligações entre o senador Demóstenes Torres e o bicheiro Carlinhos Cachoeira.
Fonte: Agência Senado.

Show CommentsClose Comments

Leave a comment


Apesar da defesa alegar que Demóstenes Torres (ex-DEM/GO) foi investigado ilegalmente pela Polícia Federal, o senador Humberto Costa (PT-PE), relator do processo administrativo contra o senador goiano no Conselho de Ética do Senado, afirmou nesta terça-feira (15/5) que a presença de Demóstenes ao longo das investigações se deve ao que a polícia chama de “encontros fortuitos”, resultados das interceptações telefônicas.
O relator chegou a essa conclusão depois de ouvir por quase três horas, em sessão secreta, os delegados federais responsáveis pelas operações Vegas e Monte Carlo, Raul Alexandre Marques Souza e Matheus Mella Rodrigues. Essas operações investigaram o esquema de jogo ilegal em Goiás e revelaram o envolvimento do contraventor Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, com agentes públicos e privados.
“Esta tentativa da defesa não vai ter sucesso. Não me parece claro que tenha havido intenção da Polícia Federal em investigar especificamente o senador. Pelo contrário, no momento em que fica evidente a participação de alguém com foro privilegiado, a investigação foi encaminhada ao Supremo”, afirmou Humberto Costa.
Em relação ao mérito das acusações contra Demóstenes Torres, o relator preferiu não emitir opinião, porque ainda está construindo um juízo de valor para se manifestar no relatório final. Humberto disse, no entanto, que “pela colocação dos delegados”, ficou clara ação do senador na defesa de interesses de Cachoeira.
“Como relator, não me cabe agora tecer comentário sobre a situação de Demóstenes”, resumiu.
Mérito – Para o senador Randolfe Rodrigues (PSOL-AP), ficou claro que Demóstenes valeu-se do mandato para intermediar interesses de Cachoeira no Congresso Nacional. Segundo Randolfe, os depoimentos dos delegados foram técnicos, baseados exclusivamente no processo investigatório.
“Todas as falas deles foram feitas olhando o processo, olhando os autos, olhando todo o procedimento investigatório. A defesa, quando vai arguir, é toda na linha da forma, nunca no mérito do que está sendo investigado”, afirmou.
Randolfe acrescentou que os delegados informaram que as operações Vegas e Monte Carlo chegaram a registrar 416 ligações entre o senador Demóstenes Torres e o bicheiro Carlinhos Cachoeira.
Fonte: Agência Senado.

Show CommentsClose Comments

Leave a comment